Loading

Características das crianças do berçário ao nível V

No primeiro ano de vida o bebê depende do adulto para a satisfação de suas necessidades básicas e também para brincar. Solicita muito a presença, gosta de carinho e colo, corresponde com sorrisos às brincadeiras e estranha, às vezes, mesmo pessoas conhecidas.

Comunica-se com o mundo de uma forma própria. Olha ativamente tudo que o cerca, chora quando algo o desagrada. As necessidades físicas de alimentação, higiene, sono são tão importantes para o bebê como a sua necessidade sócio-emocional de obter respostas afetivas no contato com os adultos. Precisa sentir-se amado, acariciado, atendido e compreendido.

Brinquedos

Blocos de espuma, bolas coloridas de tamanhos, pesos, cores e texturas diferentes; cubos e encaixes grandes; baldes e pás; bonecos de plástico; caixas e objetos diversos para encher e esvaziar, são alguns dos brinquedos que ficam ao alcance dos bebês.

Atividades

Massagens, exercícios de "ginástica" com "flexão" dos membros, brincadeiras na frente do espelho e de "esconde-esconde", danças ao som de músicas, jogos de imitação, jogos que estimulam movimentos e deslocamentos são algumas das atividades que incentivam a criança a usar, sentir, conhecer e discriminar partes do seu corpo, a exercitar os movimentos corporais amplos e alcançar progressivo domínio muscular que lhe permita usar o corpo em diferentes posições.

O manuseio dos brinquedos, e de objetos variados possibilitam o desenvolvimento da coordenação motora manual.

Conversar com a criança, nomear pessoas, objetos e partes do corpo, ouvir e cantar músicas variadas, descrever gravuras grandes e coloridas, contar pequenas histórias e propor joguinhos de imitação são alguns dos recursos que favorecem o desenvolvimento da compreensão e comunicação.

Sono

As crianças podem adormecer de formas variadas, mas com freqüência solicitam a presença do adulto e usam chupetas, fraldas ou travesseirinhos para acalmar-se. Dormem, em média uma hora e meia após o almoço, em caminhas personalizadas no momento do sono (cada criança tem uma embalagem plástica, com seu nome, contendo um jogo de lençol). As crianças NUNCA ficam sozinhas em seus momentos de sono. É responsabilidade da pessoa que fica com as crianças no momento do sono, além de anotar horários que as crianças dormem e acordam, também observar atentamente como é sono das crianças e relatar às professoras e responsáveis.

Alimentação

O controle de alimentação é feito diariamente e registrado na agenda. A introdução dos alimentos é feita respeitando as necessidades e restrições alimentares dos bebês, sempre em acordo com as orientações da mãe do pediatra da criança. O caldo de feijão é servido após os sete meses, e a clara de ovo, quando liberada pelo pediatra da criança. As alterações do cardápio, feitas pela mãe, são sempre seguidas.

Os momentos das refeições devem ser prazerosas, então cabe às professoras e auxiliares estimularem as crianças a comer, mas de uma maneira lúdica e com muito carinho (músicas, e estratégias onde evidencia-se que comer faz bem).

Higiene

Os cuidados com a higiene e saúde são fundamentais, por isso os brinquedos e o ambiente devem ser limpos e desinfetados diariamente. As mamadeiras devem ser higienizados (corretamente) a cada uso, é preciso que as chupetas também sejam esterelizadas pelo menos 1 vez ao dia. Os trocadores devem ser limpos com álcool a cada troca, assim como as mãos das responsáveis pelos cuidados dos bebês. O uso de sapatilhas no Berçário é obrigatório.

Saúde

A saúde é motivo de muitos cuidados especiais. Os afastamentos por doenças, tão desagradáveis para a família, são medidas preventivas e protetoras da saúde da criança doente e da comunidade infantil. As janelas devem ser abertas, facilitando a ventilação, e quando as crianças não estiverem dormindo as cortinas precisam ser abertas facilitando a entrada da luz, propiciando às crianças um ambiente alegre e saudável.

A CRIANÇA DO NÍVEL I (1 ANO)

O relacionamento da criança com as pessoas que a cercam é um fator importante que vai influenciar na sua visão de mundo e na forma de situar-se frente a ele. O carinho e atenção dos profissionais são essenciais para o apoio ao seu desenvolvimento integral. Nessa idade a criança depende do adulto, tanto nas rotinas diárias, como na satisfação de necessidades básicas. Mostra-se ciumenta e procura ter exclusividade, chamando a atenção do adulto, exibindo-se e/ou fazendo o que não é permitido. Demonstra alegria e interesse na presença de crianças. Mantém contatos rápidos, "toca", faz carinho nos colegas, toma objetos ou agride. A linguagem ainda em aquisição ocasiona, muitas vezes, irritabilidade nas crianças que merecem atenção e esclarecimentos da situação pela professora.

Planejamento Pedagógico

O planejamento pedagógico deve prevê planos diários com atividades interessantes e adequadas aos ambientes utilizados, relacionadas às diversas áreas de desenvolvimento e ao programa do segmento. Devem conter: atividades de Linguagem, Literatura, Jogos, Música, Psicomotricidade, Artes, Natureza Sociedade, além daquelas ligadas à vida diária da criança.

Brinquedos

Os brinquedos indicados são os que estimulam o desenvolvimento da coordenação motora manual, enriquecem a percepção e possibilitam a exploração e conhecimento de diferentes formas, texturas, cores, tamanhos e pesos. As crianças utilizam como objetos que escondem, arrastam, empilham peças de encaixe, utilizam-se cubos para manipulação, colocação de argolas em bastão, mas vão além disso, pois os brinquedos, agradáveis de olhar e de manusear motivam e despertam o interesse e desejo de combinar, descobrir e criar novas formas de utilização.

Atividades

"Macaco Mandou", joguinhos de imitação de animais e meios de transporte, brincadeiras com bolas, exercícios de "ginástica" com partes determinadas do corpo e "brincar" de andar em diferentes superfícies, arrastar, engatinhar, pular, dançar, são algumas das atividades propostas para a faixa etária. Os estímulos e motivações se modificam a cada proposição, mas o importante é que as brincadeiras sejam movimentadas e acompanhadas de música.

Brincar de tampar e destampar, encher e esvaziar recipientes grandes, manusear e folhear livros e revistas que contenham gravuras grandes e coloridas, pintar, rasgar papéis e caixas de ovos, espremer, amassar e apertar massinha ou similares, devem fazer parte do dia-a-dia dos alunos do Mini-Maternal.

Conversas informais a partir das vivências na Escola, nos momentos de alimentação, de trocas de roupa, de mudanças de ambiente, nas brincadeiras em geral, ou ainda falando de assuntos de interesse, motivam a criança a expressar-se verbalmente e ao mesmo tempo ser capaz de ouvir e ir integrando o que é dito ao contexto do grupo.

Histórias pequenas, com enredo e vocabulário simples, várias figuras e com muito som e movimento, são de grande proveito nesta faixa etária, assim como teatro de fantoches e músicas simples. Joguinhos de linguagem e de imitação, atividades a partir de gravuras grandes e coloridas e com sacos de surpresa, entre outras, contribuem, de forma lúdica, para que os objetivos nessa área sejam alcançados.

Atividades de vida diária

A rotina é importante nesta idade, pois permite a aquisição de hábitos, atitudes e limites sociais, fundamentais para a vida.

De início as crianças usam fraldas, que devem ser descartáveis. O controle de esfíncteres é iniciado, apenas por volta de 22 meses.

As mamadeiras são substituídas pelos copos com tampas, e a criança é incentivada a começar a alimentar-se sozinha, ainda com bastante o apoio do adulto. Usando babadores no momento das refeições.

O hábito de lavar as mãos antes das refeições e após as brincadeiras no parque ou no pátio, devem ser reforçados diariamente, assim como escovar os dentes depois do almoço e do jantar. A organização dos brinquedos e dos ambientes, durante e após as brincadeiras, deverá ser incentivada pelas professoras e auxiliares.

Sono

As crianças podem adormecer de formas variadas, mas com freqüência solicitam a presença do adulto e usam chupetas, fraldas ou travesseirinhos para acalmar-se. Dormem, em média uma hora e meia após o almoço, em caminhas personalizadas no momento do sono (cada criança tem uma embalagem plástica, com seu nome, contendo um jogo de lençol). As crianças NUNCA ficam sozinhas em seus momentos de sono. É responsabilidade da pessoa que fica com as crianças no momento do sono, além de anotar horários que as crianças dormem e acordam, também observar atentamente como é sono das crianças e relatar às professoras e responsáveis.

Alimentação

As refeições são balanceadas e os cardápios, elaborados e supervisionados pela nutricionista, são afixados no quadro de aviso do refeitório. O controle alimentar é feito através da agenda, as substituições devem ser anotadas na agenda também. As professoras precisam estar sempre atentas a respeito das restrições alimentares de algumas crianças e zelar para que as recomendações dos pais sejam cumpridas. A postura nas refeições e as boas maneiras à mesa devem ser lembradas diariamente, assim como o tom de voz e o nível de conversa das crianças.

Os momentos das refeições devem ser prazerosas, então cabe às professoras e auxiliares estimularem as crianças a comer, mas de uma maneira lúdica e com muito carinho (músicas, e estratégias onde evidencia-se que comer faz bem).

Saúde

A saúde ainda é motivo de cuidados especiais. Cuidados básicos que mantenham um ambiente, arejado, limpo e saudável, propiciando um bom trabalho pedagógico, buscando a diminuição de doenças passíveis de controle. Os afastamentos por doenças, desagradáveis para as famílias, são medidas preventivas e protetoras da saúde individual e coletiva.

Higiene

Os cuidados com a higiene e saúde são fundamentais, por isso os brinquedos e o ambiente devem ser limpos e higienizados diariamente (os brinquedos que as crianças levam à boca, devem ser colocados em “cestas” apropriadas nos ambientes). Os trocadores devem ser limpos com álcool a cada troca, assim como as mãos das responsáveis pelos cuidados das crianças.

A CRIANÇA DO NÍVEL II (2 ANOS)

O relacionamento da criança com as pessoas que a cercam é um fator importante que vai influenciar na sua visão de mundo e na forma de situar-se frente a ele. O carinho e atenção dos profissionais são essenciais para o apoio ao seu desenvolvimento integral.

Nessa idade a criança depende do adulto, tanto nas rotinas diárias, como na satisfação de necessidades básicas. Mostra-se ciumenta e procura ter exclusividade, chamando a atenção do adulto, exibindo-se e/ou fazendo o que não é permitido.

Demonstra alegria e interesse na presença de crianças. Mantém contatos rápidos, "toca", faz carinho nos colegas, toma objetos ou agride.

Planejamento Pedagógico

O planejamento pedagógico deve prevê planos diários com atividades interessantes e adequadas aos ambientes utilizados, relacionadas às diversas áreas de desenvolvimento e ao programa do segmento. Devem conter: atividades de Linguagem, Matemática, Literatura, Jogos, Música, Psicomotricidade, e Artes, Natureza Sociedade, além daquelas ligadas à vida diária da criança.

Brinquedos

Os brinquedos indicados são os que estimulam o desenvolvimento da coordenação motora manual, enriquecem a percepção e possibilitam a exploração e conhecimento de diferentes formas, texturas, cores, tamanhos e pesos. As crianças utilizam quebra-cabeças simples, empilham e enfileiram peças de encaixes, mas vão além disso, pois os brinquedos, agradáveis de olhar e de manusear motivam e despertam o interesse e desejo de combinar, descobrir e criar novas formas de utilização.

Atividades

"Macaco Mandou", joguinhos de imitação de animais e meios de transporte, brincadeiras com bolas, exercícios de "ginástica" com partes determinadas do corpo e "brincar" de andar em diferentes superfícies, arrastar, engatinhar, pular, escalar, dançar, são algumas das atividades propostas para a faixa etária. Os estímulos e motivações se modificam a cada proposição, mas o importante é que as brincadeiras sejam movimentadas e acompanhadas de música.

Brincar de tampar e destampar, encher e esvaziar recipientes grandes, manusear e folhear livros e revistas que contenham gravuras grandes e coloridas, pintar, rasgar papéis e caixas de ovos, espremer, amassar e apertar massinha ou similares, devem fazer parte do dia-a-dia dos alunos do Nível I.

Conversas informais a partir das vivências na Escola, nos momentos de alimentação, de trocas de roupa, de mudanças de ambiente, nas brincadeiras em geral, ou ainda falando de assuntos de interesse, motivam a criança a expressar-se verbalmente e ao mesmo tempo ser capaz de ouvir e ir integrando o que é dito ao contexto do grupo.

Histórias pequenas, com enredo e vocabulário simples e com muito som e movimento, são de grande proveito nesta faixa etária, assim como teatro de fantoches e músicas simples. Joguinhos de linguagem e de imitação, atividades a partir de gravuras grandes e coloridas e com sacos de surpresa, entre outras, contribuem, de forma lúdica, para que os objetivos nessa área sejam alcançados.

Atividades de vida diária

A rotina é importante nesta idade, pois permite a aquisição de hábitos, atitudes e limites sociais, fundamentais para a vida.

De início as crianças usam fraldas, que devem ser descartáveis. O controle de esfíncteres é iniciado por volta de 22 meses e as fraldas devem ser trocadas por cuecas ou calcinhas, enviadas para a Escola em maior quantidade nessa época.

As mamadeiras são substituídas pelos copos com tampas, e a criança é incentivada a começar a alimentar-se sozinha, com o apoio do adulto. Usando babadores no momento das refeições.

O hábito de lavar as mãos antes das refeições e após as brincadeiras no parque ou no pátio, devem ser reforçados diariamente, assim como escovar os dentes depois do almoço e do jantar.

A organização dos brinquedos e dos ambientes, durante e após as brincadeiras, deverá ser incentivada pelas professoras e auxiliares.

Sono

As crianças podem adormecer de formas variadas, mas com freqüência solicitam a presença do adulto e usam chupetas, fraldas ou travesseirinhos para acalmar-se. Dormem, em média uma hora e meia após o almoço, em caminhas personalizadas no momento do sono (cada criança tem uma embalagem plástica, com seu nome, contendo um jogo de lençol). As crianças NUNCA ficam sozinhas em seus momentos de sono. É responsabilidade da pessoa que fica com as crianças no momento do sono, além de anotar horários que as crianças dormem e acordam, também observar atentamente como é sono das crianças e relatar às professoras e responsáveis.

Alimentação

As refeições são balanceadas e os cardápios, elaborados e supervisionados pela nutricionista, são afixados no quadro de aviso do refeitório. O controle alimentar é feito através da agenda, as substituições devem ser anotadas na agenda também. As professoras precisam estar sempre atentas a respeito das restrições alimentares de algumas crianças e zelar para que as recomendações dos pais sejam cumpridas. A postura nas refeições e as boas maneiras à mesa devem ser lembradas diariamente, assim como o tom de voz e o nível de conversa das crianças.

Os momentos das refeições devem ser prazerosas, então cabe às professoras e auxiliares estimularem as crianças a comer, mas de uma maneira lúdica e com muito carinho (músicas, e estratégias onde evidencia-se que comer faz bem).

Saúde

A saúde ainda é motivo de cuidados especiais. Cuidados básicos que mantenham um ambiente, arejado, limpo e saudável, propiciando um bom trabalho pedagógico, buscando a diminuição de doenças passíveis de controle. Os afastamentos por doenças, desagradáveis para as famílias, são medidas preventivas e protetoras da saúde individual e coletiva.

Higiene

Os cuidados com a higiene e saúde são fundamentais, por isso os brinquedos e o ambiente devem ser limpos e higienizados diariamente (os brinquedos que as crianças levam à boca, devem ser colocados em “cestas” apropriadas nos ambientes). Os trocadores devem ser limpos com álcool a cada troca, assim como as mãos das responsáveis pelos cuidados das crianças.

A CRIANÇA DO NÍVEL III (3 ANOS)

A criança de dois a três anos mostra-se alegre, curiosa, impulsiva, manhosa, birrenta e controladora. Seu humor é instável, podendo reagir de forma desproporcional aos acontecimentos - chora intensamente por algo irrelevante e dá gargalhadas diante de uma simples careta.

É muito ciumenta e demonstra dificuldade em dividir a atenção, querendo ser atendida prontamente, e com exclusividade. Mostra-se dependente nas atividades de vida diária e na resolução de dificuldades, mas também luta pela sua independência. Costuma recusar a ajuda do adulto e reluta para aceitar limites.

Os contatos entre as crianças são rápidos - ficam juntas, mas brincam por pouco tempo. Gostam de tocar, abraçar e beijar os colegas, mas ao mesmo tempo podem agredi-los, tomando seus objetos, batendo, chutando ou mordendo, com ou sem motivo aparente.

Brigas e agressões físicas e verbais são freqüentes e nessas disputas, tanto tentam defender "seu" objeto como recorrem ao adulto.

O planejamento pedagógico

O planejamento pedagógico prevê planos diários com atividades interessantes e adequadas aos ambientes utilizados, relacionadas às diversas áreas de desenvolvimento e ao programa do segmento. Devem conter: atividades de Linguagem, Matemática, Literatura, Jogos, Música, Psicomotricidade, e Artes, Natureza Sociedade, além daquelas ligadas à vida diária das crianças.

Atividades e brincadeira

Os jogos de imitação, os exercícios de "ginástica" com partes determinadas do corpo, as brincadeiras com bolas e de andar em diferentes superfícies, arrastar, engatinhar, pular, escalar e dançar, comuns ao Maternal I, são mantidos no Maternal II, mas com estímulos e motivações modificados a cada proposição.

São acrescentados os jogos de rapidez e agilidade e jogos com regras simples, como por exemplo

  • Batatinha frita 1,2,3 / Boca de forno
  • Cama de gato / Coelhinho na toca
  • Estátua / Meus pintinhos venham cá
  • Morto/vivo / Passa anel
  • Quem está faltando?

As brincadeiras coletivas e individuais são fundamentais para o desenvolvimento afetivo, cognitivo e psicomotor, além de permitirem a convivência social, quando contam com a participação ativa da criança.

O manuseio de materiais usuais e a exploração dos brinquedos e objetos da sala disponíveis em cores, tamanhos, pesos, texturas diferentes, incentivam o desenvolvimento da percepção e o desenvolvimento / aperfeiçoamento dos movimentos manuais de pinça, pressão, torção, desamarrar, desabotoar, desafivelar, encher, esvaziar, amassar, rasgar, empilhar, enfileirar, furar, enfiar, folhear, etc.

Brincando, a criança se prepara para atividades mentais complexas. Nos contatos com brinquedos e nas pesquisas de atividades combinadas, ela aprende a concentrar-se, a atingir um objetivo e adquire as primeiras noções de ordem e atenção.

As conversas informais, sobre temas de interesse e/ou sobre as vivências do grupo, motivam a criança a expressar-se verbalmente e ao mesmo tempo ser capaz de ouvir e ir integrando o que é dito ao contexto do grupo.

As poesias e histórias contadas, as dramatizações, as brincadeiras com fantoches, máscaras e fantasias, as aulas de música e outras atividades entram no mundo imaginário da criança e levam à expressão da fantasia e da imaginação.

As histórias têm temas e enredos variados, com personagens e situações reais ou imaginárias e são apresentadas de diversas formas, como por exemplo livros, cartões, fantoches, filmes, teatro de sombras, cineminha, histórias desenhadas, histórias criadas pelas crianças, etc

Os joguinhos de linguagem e de imitação, mímica, atividades a partir de gravuras grandes e coloridas e com sacos de surpresa, cantinhos, entre outras, contribuem, de forma lúdica, para que os objetivos nessa área sejam alcançados.

Atividades de vida diária

A rotina ainda é importante nesta idade, atendendo às necessidades básicas e contribuindo para a aquisição de hábitos de higiene e sociais, fundamentais para a vida da criança. O hábito de lavar as mãos antes das refeições e após as brincadeiras no parque ou no pátio, devem ser reforçados diariamente, assim como escovar os dentes depois do almoço e do jantar.

Tiram e vestem peças de roupa e já têm maturidade neurológica para iniciar o controle de esfíncteres e, com ajuda, começam a usar o vaso sanitário.

São capazes de alimentar-se praticamente sozinhas, sob a supervisão e incentivo do adulto. Usam colher e os copos já substituem devidamente as mamadeiras. Colocam a cadeira embaixo da mesa após a refeição.

A organização dos brinquedos e dos ambientes, durante e após as brincadeiras, deverá ser incentivada pelas professoras e auxiliares.

Sono

As crianças podem adormecer de formas variadas, mas podem ainda usar chupetas, fraldas e "paninhos", para acalmar-se. Dormem em média uma hora e meia, em caminhas personalizadas no momento do sono (cada criança tem uma embalagem plástica, com seu nome, contendo um jogo de lençol). As crianças NUNCA ficam sozinhas em seus momentos de sono. É responsabilidade da pessoa que fica com as crianças no momento do sono, além de anotar horários que as crianças dormem e acordam, também observar atentamente como é sono das crianças e relatar às professoras e responsáveis.

Alimentação

As refeições são balanceadas e os cardápios, elaborados e supervisionados pela nutricionista, são afixados no quadro de aviso do refeitório. O controle alimentar é feito através da agenda, as substituições devem ser anotadas na agenda também. As professoras precisam estar sempre atentas a respeito das restrições alimentares de algumas crianças e zelar para que as recomendações dos pais sejam cumpridas. A postura nas refeições e as boas maneiras à mesa devem ser lembradas diariamente, assim como o tom de voz e o nível de conversa das crianças.

Os momentos das refeições devem ser prazerosas, então cabe às professoras e auxiliares estimularem as crianças a comer, mas de uma maneira lúdica e com muito carinho (músicas, e estratégias onde evidencia-se que comer faz bem).

Higiene e Saúde

A saúde ainda é motivo de cuidados especiais. Cuidados básicos que mantenham um ambiente, arejado, limpo e saudável, propiciando um bom trabalho pedagógico, buscando a diminuição de doenças passíveis de controle. Os afastamentos por doenças, desagradáveis para as famílias, são medidas preventivas e protetoras da saúde individual e coletiva.

Os cuidados com a higiene e saúde são fundamentais, por isso os brinquedos e o ambiente devem ser limpos e higienizados diariamente (os brinquedos que as crianças levam à boca, devem ser colocados em “cestas” apropriadas nos ambientes). As crianças ainda necessitam do auxílio de adultos após evacuações e “xixis”.

A CRIANÇA DO NÍVEL IV (4 ANOS)

A criança dessa idade é ativa, barulhenta, egocêntrica, tem humor variável e são freqüentes os acessos de raiva quando contrariada. Confunde realidade e fantasia e é comum ter medo de escuro, de trovão, do médico, entre outros.

Mantém contatos amistosos com adultos, é espontânea e aprecia carinhos e elogios. Torna-se um pouco menos dependente para se alimentar, vestir algumas peças de roupa e nos cuidados com a higiene, mas mostra-se ainda dependente em situações de dificuldade, principalmente na resolução de dasavenças com outra criança.

Demonstra gostar da companhia dos colegas, mantendo contatos mais prolongados com eles, apesar de ainda brincar individualmente. Aceita e faz carinho, troca objetos e colabora eventualmente, variando o grupo de acordo com a brincadeira.

São ainda comuns as disputas por brinquedos, pela atenção do adulto e as agressões físicas, que tendem a diminuir e dar lugar às ameaças, chantagens e agressões verbais.

Planejamento pedagógico

O planejamento pedagógico do segmento prevê planos diários, elaborados com atividades interessantes, movimentadas e adequadas aos diversos ambientes utilizados; relacionadas às diversas áreas de desenvolvimento, ao programa do segmento, à programação do período e aos horários pré-estabelecidos. Devem conter: atividades de Linguagem, Matemática, Literatura, Jogos, Música, Psicomotricidade, e Artes, Natureza Sociedade, além daquelas ligadas à vida diária. Precisam, fundamentalmente, despertar na criança o interesse e o desejo de permanecer na brincadeira.

Atividades e brincadeiras

Jogos e brincadeiras como "Morto e vivo", "Macaco mandou", "Coelhinho na toca", "Meus pintinhos venham cá", além de atrativos e interessantes, favorecem o domínio do corpo e contribuem para a aquisição de regras sociais básicas.

As brincadeiras coletivas e individuais são fundamentais para o desenvolvimento afetivo, cognitivo e psicomotor, além de permitirem a convivência social, quando contam com a participação ativa da criança. É importante incentivar a criança a combinar e transformar objetos e situações, e não fazer dela um espectador passivo e sem iniciativa. Brincadeiras com regras simples são importantes para o convívio social também.

Exercícios de equilíbrio e de ginástica com partes discriminadas do corpo, brincadeiras com bolas, brincadeiras que associam música e movimento como, "Cabeça, ombro, joelho e pé", entre muitas outras, enriquecem o trabalho de psicomotricidade.

Brincar com os jogos e brinquedos pedagógicos, armar quebra-cabeças, brincar com contas grandes e médias, amassar e rasgar papéis, usar tesoura, folhear livros e revistas, fazer dobraduras e alinhavos simples, favorecem o desenvolvimento dos movimentos manuais.

Brincando, a criança se prepara para atividades mentais complexas. Nos contatos com brinquedos e nas pesquisas de atividades combinadas, ela aprende a concentrar-se, a atingir um objetivo e adquire as primeiras noções de ordem e atenção.

Conversas informais sobre assuntos de interesse motivam a criança a expressar-se verbalmente, a ouvir e a integrar o que é dito ao contexto do grupo. Transmitir pequenos recados a colegas e adultos é uma das habilidades que começam a ser desenvolvidas nessa época.

A literatura infantil ajuda a criança a compreender as pessoas e o mundo que a cerca, a satisfazer suas necessidades básicas de segurança intelectual e emocional, a adquirir conhecimentos, a ampliar experiências e a desenvolver o gosto estético, a fantasia e a imaginação. Estimula o interesse pela leitura e a flexibilidade de raciocínio.

Versos e quadras, pequenas poesias e rimas motivam e prendem a atenção das crianças. Contos e músicas de diferentes tipos e ritmos, joguinhos de linguagem e de imitação, mímica e dramatizações, atividades com sacos de surpresa, entre outras, contribuem, de forma lúdica, para que os objetivos nessa área sejam alcançados.

As atividades de artes plásticas estimulam o desenvolvimento da criatividade, da imaginação e da percepção de diferentes texturas. Nelas a criança entra em contato direto com materiais convencionais: papel, lápis cera, tinta guache, nanquim, argila, massa de modelar, cola e giz entre outros, e não convencionais: areia, pedras, sucatas.

Hábitos de vida diária

As atividades de vida diária e suas rotinas de alimentação, higiene e sono, garantem a manutenção de hábitos e favorecem o aprender a "fazer sozinho".

São mantidos os estímulos para a criança lavar as mãos e o rosto, limpar o nariz e usar o vaso sanitário; para vestir-se e alimentar-se sozinha, de forma organizada, usando o guardanapo e talheres de forma adequada; para colaborar na organização e limpeza da mesa e chão após as refeições e para ter cuidado com os objetos pessoais e o ambiente.

Nesse segmento a criança alimenta-se sozinha, coloca e tira peças de roupa, calça e descalça sapatos, controla os esfíncteres e tenta escovar os dentes. Não costuma dormir depois do almoço e a chupeta é um objeto já quase esquecido.

A organização dos brinquedos e dos ambientes, durante e após as brincadeiras, deverá ser incentivada pelas professoras e auxiliares.

Alimentação e Saúde

A preocupação com a saúde continua: o ambiente arejado e limpo, a prevenção de doenças, a dieta rica e balanceada, são prioridades da nutricionista. Dificuldades alimentares, caso existam, deverão ser comunicadas através da agenda. Afastamentos por doenças são necessárias como medida protetora e preventiva.

Os momentos das refeições devem ser prazerosas, então cabe às professoras e auxiliares estimularem as crianças a comer, mas de uma maneira lúdica e com muito carinho (músicas, e estratégias onde evidencia-se que comer faz bem).

A CRIANÇA DO NÍVEL V (5 ANOS)

Aumenta sua independência nas atividades de vida diária e adquire um pouco mais de autonomia na tentativa de resolução de dificuldades e desavenças com outras crianças, mas não pode dispensar a ajuda e os cuidados do adulto.

Começa a argumentar com o adulto, mas, na defesa de seus desejos, pode também usar ameaças verbais e "chantagens".

As oscilações de comportamento podem levar os adultos a superestimar ou subestimar a capacidade de uma criança de quatro anos, o que resulta, conseqüentemente, em expectativas exageradas, ou aquém das suas reais capacidades. Por tudo isso é indispensável um consenso de valores e uma harmonia na atuação da escola e da família, para que a criança cresça e se desenvolva de forma saudável.

Algumas desobediências devem ser entendidas como um pedido de esclarecimento do que é certo ou errado, permitido ou proibido, negociável ou não. Algumas vezes são necessárias restrições firmes, eficazes e seguras, em favor da sua segurança, não só física, mas também social e emocional.

Os contatos com os colegas são mais duradouros, preferindo a companhia deles à do adulto. Mostra-se mais amistosa, aceita e faz carinho, divide objetos e alimentos e coopera com os colegas, tanto nos afazeres do dia a dia, como nas brincadeiras.

Aumentam as agressões verbais, principalmente aquelas que são "socialmente mais aceitas e permitidas": chantagens, apelidos pejorativos, deboches. As agressões físicas, menos freqüentes, são intensas quando acontecem. A raiva é expressa com mais intensidade quando a criança encontra obstáculos em seus planos, interesses e satisfações.

Apesar de precisar ficar alguns momentos sozinhas, para sonhos e devaneios, mantém grupos de amigos mais constantes, de preferência do seu sexo, e brinca mais com eles do que sozinha. Passa a escolher, em suas brincadeiras, os papéis de acordo com o seu sexo. Defende-se em situações de disputa e/ou agressão e costuma tomar partido dos amigos quando estes se desentendem com outros colegas.

De todas as características observadas em crianças dessa idade, o brincar parece a mais típica. As brincadeiras refletem a oscilação entre o mundo da fantasia e o mundo real, e ajudam a criança a compreender a diferença entre eles. O professor atua, incentivando a criatividade e não tolhendo a imaginação, mas precisa mostrar à criança seus limites pessoais e sociais, e as diferenças entre fantasia e realidade.

Planejamento Pedagógico

O planejamento pedagógico do segmento prevê planos diários elaborados com atividades interessantes, movimentadas e adequadas aos diversos ambientes utilizados, relacionadas às diversas áreas de desenvolvimento, ao programa do segmento, à programação do período e aos horários pré-estabelecidos. Devem conter: atividades de Linguagem, Matemática, Literatura, Jogos, Música, Psicomotricidade, e Artes, Natureza, Sociedade, além daquelas ligadas à vida diária das crianças. Precisam, fundamentalmente, despertar na criança o interesse e o desejo de permanecer na brincadeira.

Os conteúdos programáticos são propostos a partir da vivência dos alunos e dos objetivos específicos dessa faixa etária. O processo de aprendizagem parte de experiências concretas, pressupõe a participação ativa e crítica do aluno e incentiva o hábito de observação e pesquisa como forma de construção, ampliação e aquisição de novos conhecimentos.

Atividades e brincadeiras

Exercícios de equilíbrio, de localização e reconhecimento de partes do corpo, de ginástica com partes discriminadas do corpo, são mantidos no Jardim II, em um grau de complexidade maior que o do Jardim I, e com estímulos e motivações modificados a cada proposição.

Correr e parar a um sinal; pular amarelinha e caracol; brincar de "cama de gato", "estátua", "morto vivo" e dança das cadeiras, são algumas das atividades propostas com o objetivo de conseguir o controle muscular e a inibição de movimentos.

Jogos e brincadeiras dirigidas são mantidos em todo o pré-escolar, pois, além de atrativos e interessantes, favorecem o domínio do corpo e contribuem para a aquisição de regras sociais básicas. Entre outros, citamos como exemplo:

  • "Montanha-Russa" / "Cuidado com o fio"
  • "Escravos de Jó" / "Fui andando pela estrada"
  • "Lenço atrás" / "Vamos passear no bosque"

Fazer bolhas de sabão, soprando de canudinho; encher balões de gás; brincar de "A corrida dos barquinhos", são algumas das atividades propostas com o objetivo de sentir a respiração e exercer certo controle sobre ela.

E, para o relaxamento do corpo ou parte dele, propomos, entre outros, exercícios de enrijecer e soltar o corpo, dos pés ao pescoço; de contrair os músculos do rosto fazendo uma careta e depois relaxar; de apertar uma bola de papel na mão com toda a força e depois soltá-la.

Brincar com os jogos e brinquedos pedagógicos, armar quebra-cabeças com várias peças; brincar com contas grandes, médias e pequenas; trabalhar com argila, tinta, lápis e outros materiais plásticos; usar a tesoura; folhear livros e revistas; fazer dobraduras; enrolagens e alinhavos favorecem o desenvolvimento dos movimentos manuais.

Usar, como fantoches, os dedos das mãos desenhados com "carinhas"; fazer movimentos com os dedos molhados no quadro negro; movimentar as mãos e os dedos de diferentes formas; brincar de "Dedo Mindinho,,,seu vizinho" e "Passar anel" são outras, em muitas alternativas de atividades, dentro do mesmo objetivo.

Procuramos criar condições que levem a criança a familiarizar-se com a linguagem escrita, desenvolvendo a percepção da correspondência e interação entre a linguagem oral e a escrita através da discriminação auditiva, discriminação visual e da coordenação motora: fala x desenho; fala x imitação de escrita; fala x representação gráfica convencional de palavras (escrita do nome, por exemplo).

No Jardim II, despertar e incentivar o desejo de ler em seus alunos é uma constante no trabalho do professor. Assim, ele motiva a escolha de revistas e livros para o manuseio, a apreciação e "leitura", incentiva a participação em atividades literárias e proporciona a possibilidade de conhecimento de várias formas e gêneros da expressão oral e escrita.

A produção de textos coletivos é uma das atividades enfatizadas. O grupo discute, explorando e desenvolvendo a expressão através da linguagem oral, e registra suas idéias, possibilitando que outros leitores conheçam o que produziram.

A literatura infantil ajuda a criança a compreender melhor as pessoas e o mundo que a cerca, a satisfazer suas necessidades básicas de segurança intelectual e emocional, a adquirir conhecimentos, a ampliar experiências e a desenvolver o gosto estético, a fantasia e a imaginação. Estimula o interesse pela leitura e favorece a aquisição de flexibilidade de raciocínio, pelo conhecimento de experiências diversas, que mostram vários caminhos para conseguir resolver problemas e/ou alcançar objetivos.

Atividades de vida diária

Os cuidados com o aluno são partes integrantes da educação. A promoção do crescimento e desenvolvimento saudável das crianças na escola está baseada no desenvolvimento de todas as atitudes e procedimentos que atendem às necessidades de afeto, alimentação, segurança e integridade física e psíquica durante o período do dia em que permanecem na instituição.

A organização dos momentos em que estão previstos os cuidados com o corpo, os banhos, a higiene bucal e o uso dos sanitários, e a organização dos momentos de alimentação, podem variar de acordo com os grupos atendidos e o tempo de permanência diária na Escola.

A rotina é feita de momentos cotidianos de interação entre as crianças e entre as crianças e os adultos. Essas rotinas, se bem exploradas, possuem alto valor educativo. Devem ser, ao mesmo tempo, referenciais de segurança para a criança e momentos valiosos de relacionamento, troca de experiências e incentivo ao desenvolvimento e à valorização da espontaneidade de cada uma.

A organização dos brinquedos e dos ambientes, durante e após as brincadeiras, deverá ser incentivada pelas professoras e auxiliares.

Alimentação e Saúde

A preocupação com a saúde continua: o ambiente arejado e limpo, a prevenção de doenças, a dieta rica e balanceada, são prioridades da nutricionista. Dificuldades alimentares, caso existam, deverão ser comunicadas através da agenda. Afastamentos por doenças são necessárias como medida protetora e preventiva.

Os momentos das refeições devem ser prazerosas, então cabe às professoras e auxiliares estimularem as crianças a comer, mas de uma maneira lúdica e com muito carinho (músicas, e estratégias onde evidencia-se que comer faz bem).

Avaliação

A finalidade básica da avaliação nessa etapa é que sirva para intervir, para tomar decisões educativas, para observar a evolução e o progresso da criança e para planejar se é preciso intervir ou modificar determinadas situações ou atividades na aula.

Ao final de cada bimestre, com a finalidade de informar os pais sobre o que as crianças aprenderam em relação aos conteúdos que foram trabalhados, enviaremos um relatório de acompanhamento escolar que deverá ser lido, assinado e devolvido à professora.

Nessa fase, em que iniciam todos os sentimentos e percepções sobre si mesmo, é muito importante que as visões e valorizações da escola e da família possam ser comentadas e, em especial, relativizadas. Portanto, os senhores pais devem sempre que necessitarem marcar entrevistas com a professora e/ ou coordenadora, pois é preciso que as diferentes hipóteses e valorizações que as pessoas adultas formulam sejam abertas e possam ser contrastadas com as outras pessoas adultas que têm contato com a criança, especialmente a sua família. Assim, a família ajudará a ajustar as nossas hipóteses e valorizações, fornecendo informações sobre o que a criança é capaz de fazer e demonstrar em outros contextos educativos. Procuraremos contrastar aquilo que a criança faz na escola e com aquilo que ela faz em casa para construirmos uma visão aberta da criança. É necessário não fazer muitas definições e valorizações fechadas e, sim, propomos aspectos de futuro. “O que poderemos fazer para ajudá-Ia a ter vontade de aprender?”, “Que coisas poderemos exigir-lhe em casa para melhorar a sua autonomia?”.

Durante o curso escolar a orientadora e/ ou professora marcarão entrevistas quando necessário, não somente para dar informações sobre a criança, mas também orientar e compreender melhor a criança.

Voltar

Rua Saldanha Marinho, 1836 e 1884 / Curitiba - PR